FALE CONOSCO     |     INTRANET     |      QUEM SOMOS
SIGA O CP       ANUNCIE AQUI

Terça-feira, 18 / 06 / 2019
MÃO DE OBRA
Reeducandos de três unidades prisionais devem trabalhar com artefatos de cimento

Data da notícia: 2019-05-13 18:47:33
Foto: Divulgação
A Penitenciária Agenor Martins de Carvalho, em Ji-Paraná, será uma das unidades contempladas
As unidades prisionais de Rolim de Moura, Ji-Paraná e Guajará-Mirim deverão contar com fábricas de artefatos de cimento ainda neste ano. A viabilização por meio de projetos para aquisição dos equipamentos e das respectivas construções dos barracões estão em fase de estudo técnico pela Secretaria de Estado da Justiça (Sejus).
A proposta da Sejus é adquirir os equipamentos simultaneamente para atender às três unidades carcerárias, que vão utilizar mão de obra de reeducandos na produção dos produtos, como manilhas, blocos, muros e bloquetes, por exemplo. Os artefatos serão utilizados em obras do governo estadual e municípios das três regiões que manifestaram interesse por meio de convênios.
“A previsão da aquisição dos equipamentos e das construções dos barracões é para o segundo semestre deste ano”, informou o coordenador de infraestrutura da Sejus, Robson de Sousa. Ele explicou que os projetos das três unidades serão parecidos, diferenciando apenas em detalhes de uma praça a outra conforme a necessidade de demanda produtiva local. “Vamos licitar e comprar as máquinas para as três regiões no mesmo processo licitatório”, afirmou o coordenador. O recurso para implantação da fábrica, em Ji-Paraná, é de R$ 300 mil e está assegurado por meio do Fundo Penitenciário de Rondônia (Fupen), conforme informou o secretário executivo regional Everton Esteves, detalhando que na penitenciária Agenor Martins de Carvalho há área em desuso para a construção da unidade industrial.
O Agenor de Carvalho mantém 570 detentos. Deste total, a fábrica vai absorver inicialmente a mão de obra de apenas 25 pessoas, que são as autorizadas pela Vara de Execuções Penais para este tipo de atividade laboral. “É determinação do governador Marcos Rocha a redução de gastos e o engajamento de apenado em atividades que beneficiem a sociedade de alguma maneira”, explicou Everton Esteves, ao apresentar o pré-projeto da fábrica de artefatos.


Fonte: Assessoria


Compartilhe com seus amigos:
     




www.correiopopular.com.br
é uma publicação pertencente à EMPRESA JORNALÍSTICA CP DE RONDÔNIA LTDA
2016 - Todos os direitos reservados
Contatos: redacao@correiopopular.net - comercial@correiopopular.com.br - cpredacao@uol.com.br
Telefone: 69-3421-6853.