FALE CONOSCO     |     INTRANET     |      QUEM SOMOS
SIGA O CP       ANUNCIE AQUI

Terça-feira, 18 / 06 / 2019
POLÍTICA
Marcos Rogério defende liberalismo econômico

Data da notícia: 2019-05-09 18:49:06
Foto: Assessoria/Divulgação
Para o senador rondoniense, é preciso pensar em um Estado menor, que possibilite à sociedade se desenvolver
Em meio às discussões das reformas no Brasil, como a da Previdência e a Tributária, o senador Marcos Rogério (DEM), discursou em plenário, na quarta-feira (8), defendendo o liberalismo econômico. “Mesmo com seus efeitos colaterais, essa é a resposta menos ruim para os problemas econômicos e sociais do país”, destacou.
Para o senador, o resultado das últimas eleições mostrou que o povo decidiu romper com o modelo político, ideológico e também econômico que vigorava até então. E, agora, o Parlamento precisa dar uma resposta aos brasileiros no sentido dessas mudanças. “Precisamos pensar em um Estado menor, menos intervencionista, que possibilite à sociedade se desenvolver, empreender, conquistar espaços de mercado, gerar mais renda, oferecer mais oportunidades de emprego, sem muitas das amarras que marcam o modelo estatal mais controlador”, assegurou.
Marcos Rogério destacou ainda que independente do modelo econômico a ser adotado, os direitos dos trabalhadores continuarão garantidos, pois estão expressos na Constituição Federal. “Isso é importante lembrar porque dá ao país a tranquilidade de que podemos navegar nas águas do liberalismo econômico sem temer a retirada de direitos de quem está no mercado de trabalho”, garantiu o parlamentar.
Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) editou uma medida provisória para desburocratizar as atividades de baixo risco e de pequenos empreendimentos. O texto foi enviado para o Congresso, onde deve ser analisado e votado em até 120 dias. Na avaliação do senador rondoniense, a MP deve facilitar o trabalho de pequenos empresas e startups e desburocratizar o setor, já que elas não precisarão de alvará para testar novos produtores e serviços – desde que esses itens não afetem a saúde, segurança pública ou sanitária, e não haja uso de materiais restritos.
“Se a empresa não oferece riscos, o Estado não precisa intervir. Menos burocracia, e mais liberdade econômica, para trazer de volta o crescimento e o desenvolvimento do Brasil”, concluiu Marcos Rogério.


Fonte: Assessoria


Compartilhe com seus amigos:
     




www.correiopopular.com.br
é uma publicação pertencente à EMPRESA JORNALÍSTICA CP DE RONDÔNIA LTDA
2016 - Todos os direitos reservados
Contatos: redacao@correiopopular.net - comercial@correiopopular.com.br - cpredacao@uol.com.br
Telefone: 69-3421-6853.