FALE CONOSCO     |     INTRANET     |      QUEM SOMOS
SIGA O CP       ANUNCIE AQUI

Quarta-feira, 19 / 06 / 2019

QUANTO VALE A VIDA?
No país que foi, até agora, o país da impunidade e da corrupção – esperamos que isso esteja em vias da mudar – mais um crime contra a vida de centenas de cidadãos brasileiros, que pereceram, inocentes, graças ao descaso e ao descumprimento de leis, de devalorização da vida, foi cometido. Mais uma barragem de rejeitos de minas de minério estourou e devastou todo um vale repleto de vida. Isso, passados apenas três anos de outra tragédia criminosa idêntica, que já havia vitimado muitas vidas em Mariana: uma barragem de lama desceu sobre a cidade, da mesma empresa da outra que agora matou centenas de pessoas. Nada foi aprendido com a primeira tragédia? A fiscalização, por que não foi feita, os parâmetros para se construir e manter as tais barragens existem apenas para dizer que existem? Por que as leis no Brasil não são cumpridas? Quem deve cobrar isso? Por que não está sendo cobrado? A Vale, proprietária das minas e das barragens, está dando lucro, como sempre – isto está sendo mostrado pela mídia - mas existem vítimas da primeira tragédia, acontecida há três anos, que ainda não foram indenizadas. No que diz respeito às responsabilidades do que aconteceu em Mariana, ninguém foi penalizado, condenado, até hoje, depois de tanto tempo. Infelizmente, não temos ao menos justiça, neste país. Aquilo foi crime e os responsáveis deveriam ter sido condenados, para que a tragédia não se repetisse. E se repetiu. Pior ainda que a primeira, pois muito mais pessoas foram vitimadas. O povo brasileiro espera que as coisas mudem, está mais do que na hora de mudar. Sabemos que o estado em que nosso país foi deixado é desastroso e não pode ser consertado de uma hora para outra, mas é preciso começar a se fazer alguma coisa. Crimes devem ser apurados e providências precisam ser tomadas para que não voltem a acontecer. Será preciso que mais represas estourem para que se faça alguma coisa? Um número inimaginável de pessoas assassinadas, essa é que é a verdade, cada vez maior. Quando isso vai parar? *************************** Luiz Carlos Amorim é fundador e presidente do Grupo Literário A ILHA em SC, com 38 anos de atividades e editor das Edições A ILHA. Ocupante da cadeira 19 da Academia Sul Brasileira de Letras....


Compartilhe com seus amigos:
     




www.correiopopular.com.br
é uma publicação pertencente à EMPRESA JORNALÍSTICA CP DE RONDÔNIA LTDA
2016 - Todos os direitos reservados
Contatos: redacao@correiopopular.net - comercial@correiopopular.com.br - cpredacao@uol.com.br
Telefone: 69-3421-6853.