FALE CONOSCO     |     INTRANET     |      QUEM SOMOS
 Assine a revista PONTO M  
SIGA O CP       ANUNCIE AQUI

Boa tarde! Terça-feira, 24 / 04 / 2018
RELIGIÃO
Rio comemora o Dia de Iemanjá

Data da notícia: 2018-02-02 18:25:31
Foto: ABr
Devotos e religiosos celebram sexta-feira (2) Iemanjá, a orixá associada à água e ao mar, nas religiões afro, padroeira dos pescadores do Brasil. Na cidade do Rio de Janeiro, a divindade recebeu homenagens aos pés da estátua na Praia dos Amores, na zona oeste. E pela sexta vez também foi realizada uma manifestação contra a intolerância religiosa. Em 2012, a imagem de Iemanjá, que fica no local, foi destruída por vândalos.

A celebração começou com uma carreata partindo do terreiro Ile Omo Ejá, na zona norte, em direção à praia. Um debate sobre a proteção aos oceanos, com ambientalistas, foi promovido na praça. “Na roda de conversa Conservando o Lar da Rainha do Mar falamos, por exemplo, sobre a epidemia dos plásticos nos oceanos”, disse um dos organizadores, Ismael Evangelista, ogã do candomblé e líder do Ofarere, movimento pela manutenção das tradições de matriz africana, de combate ao racismo e à intolerância.

Evangelista lembrou que em 2 de fevereiro é comemorado também o Dia Mundial das Águas Úmidas. A data foi criada pela Organização das Nações Unidas (ONU), para colocar em evidência a situação crítica de deltas, recifes de corais e de mangues, que sofrem com o aquecimento global, embora devessem ser protegidos, pela capacidade de reduzir impacto de ressacas, ciclones e furacões e consideradas zonas naturais de amortecimento de catástrofes.

“O 2 de fevereiro é o dia de Iemanjá no candomblé e o nosso objetivo é ampliar a tradição, que já acontece em Salvador, em Vitória, no Rio Grande do Sul e até em cidades que não têm mar, no interior, para que mais pessoas participem e valorizem as tradições populares", disse Evangelista. "Iemanjá é a grande mãe do mar, cuida dos pescadores, dos surfistas, todos que vão ao mar têm essa referência”, acrescentou.

Desde a primeira edição do evento, na Barra da Tijuca, há seis anos, o ogã disse que a atividade é também uma forma de protestar contra os numerosos casos de intolerância religiosa no estado. Em 2017, um caso por semana de ataques a pessoas ou a templos foi registrado pela Secretaria de Estado de Direitos Humanos.

Outro objetivo da festa é cobrar que o evento passe a constar do calendário cultural da cidade. “Estamos buscando diálogo com a Riotur para consolidar essa atividade, trazendo o turismo para essa localidade, valorizando o comércio e a comunidade”, disse o religioso. Procurada por e-mail e telefone, a empresa municipal de turismo, não comentou o pedido.

A cerimônia religiosa do Xirê será de tarde, com cânticos das nações Ketu, Jeje, Angola e da Umbanda. O tradicional barco com presentes à orixá sai por volta das 17h e será levado pela Associação de Pescadores Livres e Amigos da Barra da Tijuca e Adjacências. A organização foi a que colocou ali a primeira estátua da orixá, protetora dos pescadores, na década de 1970.O presente deve incluir flores, perfumes, frutas, em balaios enfeitados com panos nas cores branco e azul. Os religiosos pedem que material seja biodegradável.

A confraternização termina com apresentações de capoeira e bandas de música. A expectativa é receber entre 100 e 200 pessoas, ao longo de todo dia, a maioria, da zona oeste e de municípios da Baixada Fluminense, que concentram terreiros de religiões afro no estado.


Fonte: Isabela Vieira - Agência Brasil



www.correiopopular.com.br
é uma publicação pertencente à EMPRESA JORNALÍSTICA CP DE RONDÔNIA LTDA
2016 - Todos os direitos reservados
Contatos: redacao@correiopopular.net - comercial@correiopopular.com.br - cpredacao@uol.com.br
Telefone: 69-3421-6853.